quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

A Traição das Metáforas 8





A Traição das Metáforas 8


um cavalo marinho cavalga entre as suas coxas federika não conseguia
conter o êxtase dentro do mar de búzios cada jogo era gozo em profusão como uma menina em seu primeiro cio com receio olhou a praia quando viu macabea oculta entre o ciúme os mariscos tentando esconder-se na areia molhada depois da primeira arrebentação quando o veneno de um ferrão de arraia atravessou a porta do assombradado federika sorriu feliz agora com peixes multi coloridos passeando em sus costas entrando pelos poros como quem acende o fogo em todos os cantos escuro da casa seu corpo iluminado  uma constelação celestial ali naquele mar de ostras em que ela sonha dar a luz um dia


Artur Gomes                     

Um comentário:

  1. Vim visitar-te... E reconheço que seu cantinho tem um "q" de impactante e doce... Poesias, prosas, metáforas que transbordam inteligência, paixão e um ritmo desconhecido pelos mortais... Incrível tua capacidade de emocionar... grata sempre, beijos azuis menino e amigo poeta... Ka Santos (http://menteflorida.blogspot.com.br)

    ResponderExcluir