quarta-feira, 26 de novembro de 2014

su realismo



em carne viva em carne crua

a noite assombra
nos lençóis da nossa cama
depois de lamber teu sexo
em carne viva carne crua

meu olho cravado em tua lua
toda branca
toda nua

a bunda virada pro mar
a frente janela pra rua

não sei quantas palavras
ainda terei que inventar
pra significar a coisa
que ainda não tem nome
a coisa cínica
a cóisa sântrica
como linha do novelo
essa onda me pega Atlântica
da sola dos pés até a ponta
do último fio de cabelo





su/realismo


no Pontal do Atalaia
penso o mar
que ainda tenho
tuas coxas brancas
peixe espada em teu aquário
espuma e sal
beijando areia

su/realismo
é minha língua em teu ouvido
lamber teu corpo despido
neste mar que me incendeia

Artur Gomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário