sexta-feira, 13 de maio de 2016

drummundano



drummundano

eu que não tenho deus nem pátria
cassado desde o nascimento
atravesso os trópicos
no lombo do jumento
atirado a cova dos tiranos da paulista
não gastarei o meu amor
a favor da hipocrisia
nem chorarei por pátria alguma
enquanto a pátria não for minha 
rasgo meu peito frente a brisa

nem cuspirei na bandeira dos tucanos
para não gastar saliva
o beijo eu guardo para o judas
o tapa para a cara dos canalhas
teço com o fio da navalha
os fios dos tecidos da mortalha
para a hora de enterrar os salafrários
com um tiro no curral desse comício
cada homem tem sua hora tem seu preço
para a sua caro temer ofereço
todo limbo da história de um brasil que desconheço

Federico Baudelaire

Nenhum comentário:

Postar um comentário