sábado, 18 de novembro de 2017

unplugget


unplugged

quero botar no seu Orkut
um negócio sem vergonha
um poema descarado
tá chegando fevereiro
e meu rio de janeiro
fica lindo e mascarado

quero botar no seu e-mail
um negócio por inteiro
eu não sou Zeca Baleiro
pra ficar cantando a Mama
que ainda tem medo do Papa

meu negócio é só com a mina
que me trampa quando trapa
meu negócio é só com a mina
que me canta ouvindo Rappa


 

jura secreta 54

moro no teu mato dentro
não gosto de estar por fora
tudo que me pintar eu invento
como o beijo no teu corpo agora

desejo-te pelo menos enquanto resta
partícula mínima micro solar floresta
sendo animal da Mata Atlântica
quântico amor ou meta física
tudo o que em mim não há respostas

metáfora d'Alquimim fugaz Brazílica
beijo-te a carne que te cobre os ossos
pele por pele pelas tuas costas

os bichos amam em comunhão na mata
como se fosse aquela hora exata
em que despes de mim o ser humano
do corpo rasgamos todo pano

e como um deus pagão pensamos sexo. 

Artur Gomes 

Nenhum comentário:

Postar um comentário